AUTISMO: Um alerta importante para pais e terapeutas - TEXTO

Precisamos tomar muito cuidado com o que ouvimos e lemos sobre o autismo, já que há profissionais trazendo informações que podem prejudicar, ainda mais, o desenvolvimento de nossos autistas.

Alguns se baseiam até em comprovações científicas já publicadas, mas também sabemos que, segundo Peter Goetzsche, em seu livro: “Medicamentos mortais e o crime organizado: Como a indústria farmacêutica corrompeu a assistência médica”, há comprovações científicas sérias e há comprovações científicas produzidas com uma determinada finalidade lucrativa.

Mas sou obrigado a dar esse alerta aos pais e aos terapeutas!

Quando se fala que autismo é genético isso não quer dizer que é hereditário. Alguns estudos mostram que apenas uma parte muito pequena do genoma humano é hereditário. Isso significa que os seus genes podem sofrer alterações por conta de influência do meio ambiente. E essas influências têm sido detectadas em diversos elementos e em diversas origens.

Quando os “experts” em ciência genética afirmam que as variações nos genes dos autistas não são mutações genéticas, mas sim combinações de uma espécie de chaveamento interno, que regulam as ações programadas em cada gene, eles estão entrando em detalhes técnicos que, mesmo precisos, não explicam as razões para que tais chaveamentos ocorram de forma irregular, e tragam as características que tanto os afastam da “normalidade”.

Na realidade o que mais interessa a quem quer salvar os autistas da exclusão social é, em primeiro lugar o encontro de sua cura. Sim, porque suas características, quando intensificadas, prejudicam todo o seu desenvolvimento e, principalmente, a sua autonomia e os pais desejam essa cura!

Falar de cura para profissionais que insistem em dizer que autismo não é doença, não é síndrome, não é transtorno, nem deficiência, mas sim uma forma diferente e natural de SER, significa que teremos que convencer os pais a abandonar todos os processos de redução de seus sintomas a aceitar que seus filhos são normais como estão, ou seja, terão que ser eternamente assim, alguns sem falar, outros sem raciocinar corretamente, outros sem socializar, porque isso é uma comprovação científica publicada as principais revistas científicas mundiais.

E, se os sintomas se agravarem, que devem ser medicados com os mesmos medicamentos dos doentes psiquiátricos, para pararem de agredir, conseguirem dormir, etc.

Para quem, como nós, acompanha há vinte e um anos, diversos alunos autistas incluídos em nossas turmas regulares, o que nos interessa é reduzir seus sintomas, para que tenham a mesma capacidade de desenvolvimento cognitivo e emocional que seus colegas e que consigam construir a sua autonomia e serem felizes sem dependerem de seus pais.

E para isso a redução dos sintomas não significa camuflá-los com drogas, mas sim melhorar a eficácia da microbiota intestinal, eliminar os parasitas do sistema digestório, complementar os níveis de vitaminas e, como não sabemos ainda como recuperar as paredes de seu intestino, que é permeável, devido a uma má formação decorrente dessa alteração nos genes, eliminar da sua dieta todos os alimentos cujas proteínas, se forem para a corrente sanguínea, provocarão a inflamação cerebral e aumentarão todos os sintomas.

A sorte das famílias dos autistas é que já há médicos bem preparados para esse entendimento, principalmente os nutrólogos, como Aderbal Sabrá, na CESGRANRIO, Consolação Oliveira, em Minas Gerais e, é claro, de um número cada vez maior de nutricionistas, a começar pela referência maior no Brasil, que é Cláudia Marcelino.

Só para concluir:

A ciência médica, biológica, genética, e todas as demais, estão ainda muito aquém do conhecimento que precisamos ter para o entendimento do ser humano.

Considero muito temeroso dizer que conhecemos o autismo. Precisamos do apoio de todas as ciências e de todos os práticos, em uma conversa transdisciplinar na qual todos possam contribuir com seus estudos, mas principalmente com suas experiências.


1 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

O PODER DO CORAÇÃO O coração tem, realmente, alguma coisa a mais do que dizem os livros de biologia e de medicina? XXXXXXX É, amigos! O coração não é, como dizem os livros de biologia e medicina, apen